default-logo


Durma a partir de 33 euros/noite

Reserve agora
Book now
916 761 331 | info@casacolipo.com

A não perder na região

A Batalha está no coração de uma região rica em património histórico e natural e astronomia.

 

Castelo

Património Monumental

Mosteiro da Batalha

image

Eleito pela UNESCO como Património Mundial é o mais importante monumento do gótico português. A sua construção inicou-se em 1388 e prolongou-se por quase 80 anos.

Mestre Afonso Domingues traçou o primeiro plano: Igreja, Claustro, a Sala do Capítulo, as oficinas e as dependências conventuais inserindo a arquitectura no modelo seguido pelas ordens mendicantes (franciscanos e dominicanos). Possui planta em cruz latina, de três naves e cabeceira com capela-mor e quatro colaterais. De referir as abóbadas, da Capela do Fundador, e o Panteão de D. Duarte (Capelas Imperfeitas) com decoração do gótico flamejante.

Mosteiro de Alcobaça

imageA Abadia de Santa Maria de Alcobaça, fundada em 1178 pela Ordem de Cister, é igualmente Património Mundial. A nave central da Igreja impressiona o visitante com a profundidade e a altura das abóbadas de ogivas. Nas capelas laterais do transepto encontram-se os túmulos de D. Pedro I e de D. Inês de Castro, magníficas edificações de escultura tumulária medieval.

O Claustro, obra do reinado de D. Dinis foge à decoração austera, e no piso superior obra do reinado de D. Manuel possui arcos abatidos e capitéis com representações humanas e vegetalistas. As dependências do convento situam-se em redor do Claustro: a Sala do Capítulo, a Sala dos Monges, a cozinha do século XVIII e o Refeitório. Ricos painéis de azulejo podem ser vistos na Sala dos Reis, bem como estátuas de barro de monarcas portugueses.

Mosteiro de Santa Maria de Cós

Em Alcobaça, a quatro quilómetros da localidade de Maiorga, encontra-se o Convento de Cós, antiga granja do Mosteiro de Alcobaça, datado do séc. XIII. Reúne um notável conjunto de criações artísticas, desde o corpo da igreja e o coro cobertos por um tecto de caixotões pintados, formando uma ampla abóbada de berço de tons escuros, que contrasta com o azul brilhante das paredes forradas de azulejos do fim do séc. XVII, um cadeiral de embutidos, altares em talha com imagens e pinturas.

Castelo de Leiria

imageO Castelo de Leiria, foi palco de alguns dos acontecimentos marcantes da história portuguesa. O início da sua construção data do século XII e, durante a sua edificação, o Castelo atravessou vários reinados, tendo sofrido a intervenção de diferentes reis. Após as diversas batalhas porque passou, desde as lutas com os muçulmanos até às invasões francesas, o monumento ficou parcialmente destruído. Uma visita a este Castelo é como embrenhar no passado histórico de Portugal, uma viagem ajudada pela Torre de Menagem, que recentemente foi transformada em núcleo museológico.

Castelo de Ourém

imageÉ formado por três torres, tendo no centro um terreiro com uma enorme cisterna ogival, alimentada por uma fonte de água. Do lado sul encontra-se o Paço do Conde D. Afonso, que deu a esta estrutura militar, uma vertente palaciana. Do lado norte do Castelo está o amplo Terreiro de S. Tiago, que no seu centro tem a estátua de D. Nuno Álvares Pereira. No lado sul, voltado para o Castelo, eleva-se o Paço do Conde D. Afonso, seguido de dois imponentes torreões. Tanto o Paço como os torreões, são testemunhos de uma arquitectura invulgar, de inspiração veneziana, que une a função palaciana e militar.

Castelo de Porto de Mós

Castelo de Porto de MósO Castelo de Porto de Mós, avista-se ao longe pelas suas torres, grandes e verdes, de forma bicuda, que faz deste castelo um dos mais originais do nosso País. De planta pentagonal, inicialmente o castelo tinha cinco torres, nos cinco ângulos, tendo como seu primeiro alcaide, o lendário cavaleiro D. Fuas Roupinho, que daqui partia para o combate contra os mouros. Após passar vários anos a ser danificado pelas investidas árabes, no reinado de D. Sancho I é reedificado, e começa a ganhar traços habitacionais. A partir de 1930 o Castelo começa a ser restaurado, sendo hoje um dos mais peculiares do país.

image

Natureza

PNSAC – Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

pnsac

O Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros é um notável espaço natural privilegiado para a prática de desportos de Natureza.

Constituído pelas Serra de Aire e Candeeiros e o Planalto de St.º António, aqui se reune uma série de formações cársicas raras: algares, poljes, escarpas, campos de lapias, vales secos. Como principais pontos de visita apresentam-se as Salinas na zona de Rio Maior, as Grutas de Stº António, Alvados, Moeda e Mira de Aire, os Olhos de Água, Lagoas do Arrimal, Polje de Minde, a compartimentação da paisagem em muros de pedra solta, e a jazida paleontológica de pegadas de dinossáurios, na “Pedreira do Galinha”.

Pinhal de Leiria

pinhal

Floresta de pinheiro bravo começou a ser semeada no reinado de D. Afonso III, no século XIII posteriormente intensificado no reinado de D. Dinis – o rei Lavrador. Além de servir de barreira contra o avanço das areias, teve importância máxima na utilização das suas madeiras para a construção das embarcações que proporcionaram os Descobrimentos Marítimos Portugueses. Hoje em dia o Pinhal de Leira é local de eleição para lazer e contacto com a natureza.

Se gosta de desfrutar da natureza dando passeios a pé ou de bicicletaconsulte aqui vários itinerários, na região, para dar os seus passeios. Pode ainda descarregar esses mesmos percursos em formato GPS.

Sol e Mar

pedrogao

A região possui um número elevado de praias pitorescas algumas mais cosmopolitas, outras com mais tradição.

APraia do Pedrógão, tal como aPraia da Vieira, reflectem a antiga arte da pesca nos barcos típicos, ou nos próprios trajes das mulheres. Pranchas e velas cheias de brisa do mar, entre gotas de água e raios de sol completam a beleza destas praias.

S. Pedro de Moel abrigado numa concha de casario cheio de bom gosto e de ar aristocrático onde o surf que aqui é praticado durante todo o ano.

 

Nazaré, a mais típica praia de Portugal, junto ao imponente promontório do Sítio. nazareA praia marcada pelo extenso areal confinado no Porto Piscatório, é no sentido prático uma imensa calçada onde as pessoas passeiam em íntimo contacto com o mar e com os habitantes da Nazaré. Em dias de muito calor pode renascer a antiga faina da arte xávega, com o mestre a chamar a companhia. Já no concelho de Alcobaça surge S. Martinho do Porto, uma praia perfeita ao longo de uma baía deslumbrante em forma de concha com águas calmas e azuis, perfeitas para desportos náuticos e para as crianças.

 

Património Religioso

Santuário de Fátima

imageConstruído em 1928 com pedra calcária da Região, é formado pela Basílica e alas laterais. Considera-se o “Altar do Mundo”. Hoje o Santuário de Fátima acolhe em peregrinação e oração muitos milhares de crentes vindos de todo o mundo, sobretudo na Peregrinação anual de 13 de Maio e nos restantes dias 13 de cada mês, de Maio a Outubro.

O centro da actividade é para além da Capelinha das Aparições, a Basílica mede 70,50 metros de comprimento e 37 de largura. Tem 15 altares comemorativos dos 15 Mistérios do Rosário. Ainda no recinto do Santuário podemos ver a azinheira grande, debaixo da qual os Pastorinhos e os primeiros peregrinos esperavam e rezavam o terço antes de chegar Nossa Senhora, o monumento ao Sagrado Coração de Jesus, que se ergue no centro da praça, a cruz alta no topo sul do recinto.

Santuário N. Sr.ª da Nazaré

imageO Sitio da Nazaré é, há já largos anos, muito procurado pelos peregrinos, que ali vão ver o sítio onde aconteceu o milagre com D. Fuas Roupinho que, prestes a cair do penhasco invocou N.ª Sr.ª da Nazaré.

Hoje é um monumento imponente, com duas torres altas, em que se destaca, no interior, o altar-mor composto por um retábulo de talha dourada, com colunas salomónicas e aplicações de mármore. Na boca da tribuna encontra-se uma grande pintura alusiva ao milagre do aparecimento de N.ª Sr.ª da Nazaré a D. Fuas Roupinho.

A peregrinação que sempre houve a este templo dotou-o de um recheio de ofertas de valor, que viriam a ser saqueadas na época das invasões francesas.